MEZO-MADARAS

Rochoso

TIPO:

CLASSE:

CLAN:

GRUPO:

SUB-GRUPO:

TIPO PET.:

EST. CHOQUE:

INTERPERISMO:

PAÍS:

ANO:

DESCRIÇÃO:

CONDRITO

ORDINÁRIO

H-L-LL

L

3.7

S2

W0

ROMÊNIA

1852

Condrito Ordinário Não – Equilibrado, com brechas polimítica, L 3.7. Estagio de Choque S2 e Intemperismo W0.

PETROGRAFIA:

Van Schmus (1967) chamou a massa principal do Mezo-Madaras de "normal", uma vez que encontrou três tipos de inclusões condríticas no material hospedeiro. Assim, ocorre uma grande variedade de côndrulos na massa principal com presença de texturas porfirítica, radiante, barrada e vítreas. A olivina e o piroxênio predominam nos côndrulos. O piroxênio é tipicamente uma clinoenstatita polissinteticamente gêmea e com baixo teor de cálcio em relação ao clino-hiperstênio. O zoneamento ígneo normal (centros pobres em Fe e bordas pobres em Mg) é comum nos cristais de olivina e piroxênio e, sem dúvida, representa a cristalização desses minerais não equilibrados quimicamente durante a cristalização do côndrulo. O material intersticial da olivina e piroxênio na maioria dos côndrulos consiste em cristais fibrosos de grãos muito finos, presumivelmente olivina, piroxênio e plagioclásio; esse material provavelmente representa a desvitrificação ou cristalização fibrosa dos fundidos residuais que resultaram nos côndrulos durante o resfriamento e a cristalização. A maioria do metal e sulfeto deste condrito ocorre fora dos côndrulos de silicato como partículas na matriz ou como gotículas de sulfeto de metal. O metal e o sulfeto são geralmente misturados entre si. A matriz do Mezo-Madaras inclui silicatos de grão fino (menos de 10 mícrons de diâmetro), metal e sulfeto. Fonte: Van Schmus (1967).

GEOQUÍMICA:

A olivina tem uma composição média de 15,7% Fe, Fa=21,7 e PMD 28, que inclui côndrulos forsteríticos, tendo alguns borda faialíticas. O piroxênio apresenta em média 7,5% Fe, Fs=14,1 e PMD 44. O Mezo-Madaras tem um conteúdo significativo de carbono (0,46% em peso) e supõe-se que esse carbono esteja predominantemente na matriz. Fonte: Van Schmus (1967).

CLASSIFICAÇÃO:

Keil & Fredriksson (1964) determinaram que as composições de olivina e piroxênio no condrito são extremamente variáveis. Dodd e Van Schumus (1965) notaram ainda que Mezo-Madaras contém vidro primário em vários de seus côndrulos. Isso, além da excelente preservação da textura condrítica, levou-os a concluir que esse meteorito experimentou apenas um ligeiro metamorfismo. Dodd, Van Schmus e Marvin (1965, 1966) descobriram um novo mineral - merrihueita - no Mezo-Madaras, onde coexiste com enstatita pobre em ferro e olivina faialítica. Wood (1967) estudou as fases de metal e sulfeto e relatou que o sulfeto é livre de níquel (quantidades traços) e que o FeNi foi particionado em kamacita e taenita, o que o levou a interpretar esses dados como evidência de metamorfismo moderado de baixa temperatura (300-500ºC) no Mezo-Madaras. Com base nas propriedades petrológicas gerais e na falta de equilíbrio químico, Van Schmus & Wood (1967) colocaram Mezo-Madaras em sua categoria do tipo petrológico 3. As análises químicas de Jarosewich (1967) e Ninns (1967) mostraram que esse meteorito pertence aos condritos do grupo L. Para mais informações sobre o meteorito, o link do artigo fonte é https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/001670376790141X . Fonte: Van Schmus (1967).

CLASSIFICADORES:

Não informado pelo Meteorical Bulletin database. Segundo Van Schmus (1967), as primeiras análises químicas do Mezo-Madaras foram feitas por Rammelsberg (1871), enquanto que Meunier (1871) observou a natureza polimítica deste meteorito. Outros cientistas também contribuíram com a classificação ao longo das décadas.

HISTÓRIA:

Em 9 de abril de 1852, aproximadamente às 16:30 horas, uma grande bola de fogo foi testemunhada seguindo uma trajetória SE-NE. A bola de fogo foi acompanhada por detonações do tipo trovão e as pessoas próximas ao lago Isten ouviram "barulhos zunidos" e testemunharam as pedras caindo do céu. Fonte: www.historicmeteorites.com

Todas as informações que não possuírem fonte especifica, foram extraídas do Meteoritical Bulletin Database.

Todas as imagens possuem direitos autorais.

ENTRE EM CONTATO

whatsapp

+55 (21) 98899-7596

© 2019 Aimeteorites.