CONQUISTA

Rochoso

TIPO:

CLASSE:

CLAN:

GRUPO:

SUB-GRUPO:

TIPO PET.:

EST. CHOQUE:

INTERPERISMO:

PAÍS:

ANO:

DESCRIÇÃO:

CONDRITO

ORDINÁRIO

H-L-LL

H

4

-

W1 ou mais

BRASIL - MG

1965

Condrito Ordinário Equilibrado H4, levemente intemperizado por oxidação terrestre.

PETROGRAFIA:

O meteorito exibe uma pronunciada textura condrítica com côndrulos variando de redondos a alongados em formato e diâmetro de 0.1 a 1.9mm (média de 0.5mm). Os côndrulos são bem visíveis com sua delimitação bem definida em meio a matriz de granulação fina consistindo principalmente de material microcristalino, que parece de recristalização da matriz anteriormente vítrea. A textura interna dos côndrulos se apresenta bem variada, como barrada, radial, porfirítica e granular. Material vítreo também foi encontrado dentro dos côndrulos. Fonte: Gomes & Keil (1980).

GEOQUÍMICA:

De acordo com Keil et al. (1978a), o meteorito consiste principalmente de olivina Fa17.2, piroxênio com baixo Ca Fs15.4 Wo3.0 e FeNi, com menores quantidades de troilita e material vítreo com composição variada. Minerais acessórios incluem pigeonita Fs15.6, cromita, e piroxênio com alto teor de Ca. Óxido férrico hidratado, por intemperismo terrestre, foi encontrado no entorno das fases metálicas FeNI. Fonte: Gomes & Keil (1980).

CLASSIFICAÇÃO:

A composição da olivina e piroxênio do meteorito Conquista é bem próxima do limite final do grupo químico L, alcançando o grupo H dos condritos. A composição química da cromita também sugere a classificação como grupo H. Essa classificação é confirmada através da química total e das razões Feº/Ni (9.59), Fe/SiO2 (0.69) e Feº/Fe (0.64), assim como a concentração total de Fe total no meteorito (25.3%) e total de FeNi de 18.5%, considerando que todo o óxido de ferro III presente é oriundo do intemperismo terrestre que oxidou o FeNi presente. A classificação petrográfica tipo 4, de acordo com Van Schmus & Wood (1967), é devido a leve variação em composição ainda encontrada na olivina e piroxênio, a textura condrítica bem definida, a presença abundante de geminações de piroxênio de baixo Ca e material vítreo encontrado também dentro dos côndrulos. Fonte: Gomes & Keil (1980).

CLASSIFICADORES:

Não informado pelo Meteoritical Bulletin Database. Um estudo detalhado sobre o meteorito Conquista foi feito por Keil et al. (1978a).

HISTÓRIA:

O meteorito caiu na manhã (6 horas do horário local) de um dia desconhecido de dezembro de 1965, na Fazenda da Mateira, no município mineiro de Conquista. A queda foi acompanhada por um ruído alto e um poço de impacto com 1,5 m de diâmetro foi formado. Diz-se que muitos fragmentos foram distribuídos ao redor do poço, mas apenas a massa principal de 20,35 kg parece ter sido preservada. Fonte: Gomes & Keil (1980).

Todas as informações que não possuírem fonte especifica, foram extraídas do Meteoritical Bulletin Database.

Todas as imagens possuem direitos autorais.

ENTRE EM CONTATO

whatsapp

+55 (21) 98899-7596

© 2019 Aimeteorites.